O verdadeiro, essencial e duradouro único sentido

Só quem tem filho pode compreender isto que estou vivendo – e escrevo. Só quem deixou sua terra de nascença poderá ler nestas palavras a profunda satisfação que estou sentindo. Tudo embolado aqui no peito, nas ideias e nos gestos.

Benjamín chegou em Cuba e parece que nunca tivesse ido, parece que foi aqui que abriu os olhos ao mundo e começou escorregar-se pela vida – e nesta nossa historia.

Ao atravessar a porta final do aeroporto me viu, soltou a mão da mãe e partiu para o abraço. Eu apertei forte, como aquele último abraço que ainda eu recordara e que fora nosso último contato real durante todo este tempo. Eu soltei umas lágrimas, que novamente, não deixei que ele percebesse.

Eu fiquei alegre de todo esforço e de cada desatino. Os caminhos que eu tomei foram muito fundos e fortes, e ainda eu não compreenderia.

Ter um filho é das realizações, á única verdadeira, essencial y duradoura. Sozinho, então, eu não imaginava quanto tudo isto mudaria meus dias – minhas felicidades e tristezas. E quanto tudo faria sentido desde o começo, naquele dia olvidado do meu próprio nascimento.

Nestes instantes de este último dia, a cobra comprida do tempo mordeu sua cauda, e no abraço singelo fora do aeroporto, ele pisando as terras que eu também pisara, cumpriu minha vida seu verdadeiro, essencial e duradouro, único sentido.

Naquele abraço me esvaziei de remorsos y barreiras, e me inundei do que me assemelha do amor profundo da vida, e me afasta da morte, o hálito que me mantém vivo – e escrevendo: mi hijo.

Dali para frente, eu vi nele e ele viveu – enquanto eu escrevo isto ele dorme – como se fosse sempre aqui isolado pelo mar que agora nos recebe, que ele viveu desde antes do nosso tempo. Eu vi nele e ele vive, que ao filho de um, lhe pertencem todas e cada uma das suas paisagens anteriores; todos e cada um dos personagens que lhe abraçam ou lhe amam; todos e cada um dos encontros, antes e depois do nascimento. Eu vi nele e ele vive, que esta terra com nome e arbitrariedades como toda terra que os homens conhecem, lhe abraçou, lhe pertence e lhe ama.

Benja hoje conheceu as ruas, os carros e o mar desta ilha. De mãos dadas à mãe e a este que escreve – e vive – ele sorriu tanto como agora eu choro. A felicidade tem máscaras vestidas de céu azul, brancas ondas batendo contra os muros, rumba multicolorida de tambores e pernas-de-pau, chocolate frio ou quente, e solidão sob a noite estrelada.

Éramos felizes juntos nesta terra desde sempre.

Agora, ele dorme.

Eu lhe escrevo.

bijukis

Anuncios

2 pensamientos en “O verdadeiro, essencial e duradouro único sentido

Responder

Introduce tus datos o haz clic en un icono para iniciar sesión:

Logo de WordPress.com

Estás comentando usando tu cuenta de WordPress.com. Cerrar sesión / Cambiar )

Imagen de Twitter

Estás comentando usando tu cuenta de Twitter. Cerrar sesión / Cambiar )

Foto de Facebook

Estás comentando usando tu cuenta de Facebook. Cerrar sesión / Cambiar )

Google+ photo

Estás comentando usando tu cuenta de Google+. Cerrar sesión / Cambiar )

Conectando a %s